Eu te esperei voltar


Eu te esperei voltar porque depois de bater a porta, ela ficou apenas encostada. Dormi com o trinco aberto na certeza de que o som dos teus passos ecoaria pelo corredor a qualquer instante. Te esperei porque você repetia que não fechava os olhos antes de beijar meus cabelos e me chamar de pequena. Por isso também não ousei me esticar pelo teu lugar na cama – o lençol permaneceu intacto, compartilhando a minha espera. Eu te esperei porque fiz dos teus olhos o meu livro de cabeceira, e dificilmente consigo embalar no sono antes de devorá-lo em silêncio, a um nariz de distância dos meus. E tua pele se tornou a minha roupa de cama, e o teu cheiro, o melhor calmante que já conheci. Esperei você me puxar pro teu peito e deixar eu fazer dele travesseiro, porque te entregar os meus sonhos se tornou o meu velho ritual diário.

Eu te esperei porque toda manhã era você quem adoçava o meu café, com duas colheres de açúcar mascavo e cinco minutos de cafuné. Porque tua caneca do Wolverine se recusou a desocupar o outro lado da mesa, e nenhum banho frio me fez despertar tão bem quanto o teu bom dia rouco. Porque ainda há papelada das tuas últimas composições fazendo bagunça na minha escrivaninha, e no meio dela eu não consigo encontrar nem o rascunho do meu artigo, nem o meu norte. Porque a lâmpada da varanda queimou novamente, e eu não quis me arriscar a subir a escada pra trocá-la sem ter certeza de que você estava pronto pra me aparar. E, ali do escuro, não consigo mais achar o sentido das coisas.

Eu te esperei porque teu creme de barbear ainda mora em minha prateleira, e o paletó que tua mãe te presenteou no último Natal ficou esquecido na pilha de roupa pra passar. Porque há sorrisos teus espalhados pela minha gaveta de meias, e aquele olhar por cima dos óculos de grau já virou artigo de decoração junto ao espelho da sala. Esperei porque só o teu violão sabe beijar a minha alma, e o meu corpo se acalma sempre que você dedilha a minha cintura. Porque toda vez que fecho os olhos sinto tua barba se roçando em minha nuca, e isso ainda me faz sussurrar teus acordes preferidos.

Te espero ainda. #entretodasascoisas #samialouise (@samialouise)

A post shared by Entre Todas as Coisas (@entretodasascoisas) on

Eu te esperei porque há pedaços teus espalhados pelo vazio que a casa ficou, e eu ando me esbarrando neles enquanto faço de conta que estou tocando a minha vida. Tenho usado curativos pra disfarçar as feridas, mas a dor estampada em meus olhos me denuncia aonde quer que eu vá. Comecei a aceitar que a nossa história nunca foi imune a um ponto final, mesmo tendo acreditado por tanto tempo que nós éramos aqueles personagens cujo destino já é previsível na primeira página. Eu te esperei, porque o amor é esse grande tolo otimista que se recusa a perder a esperança.

Eu te esperei voltar. Tocar a campainha sem fôlego e dizer que veio correndo porque não queria perder mais tempo com o trânsito. Esperei teu nome estampar meu celular a cada nova chamada, e não pude conter o embrulho no estômago toda vez que chequei o e-mail. Esperei a tua camiseta suada  descansar nos pés da minha cama,  enquanto tua carne preenchia minhas unhas e tuas mãos se embaraçavam em meu cabelo. Ensaiei diferentes formas de narrar a saudade que andou ancorada em meu peito, e imaginei as ondas da tua voz prometendo que a vida voltava a ser maré alta. Eu desejei me afogar em você, até doer os pulmões, porque navegar é superficial e já não me bastava mais.

Eu te esperei, mas você não veio. A campanhia soou algumas vezes pelo carteiro, outras pelo delivery do chinês. O celular exibiu os nomes dos amigos mais chegados, e a caixa de e-mail esteve repleta de mensagens de promoções pelas quais nunca me interessei. Você não veio, e hoje finalmente eu me dei conta do quanto o meu café estava amargo. Gosto de amor vencido. Entendi que a nossa promessa de eternidade havia se perdido pelo longo caminho do sempre, e a única coisa que ainda durariam eram as cicatrizes por baixo dos meus curativos. Descobri ainda  que sou mais forte que o Wolverine, quando tive coragem de guardar a tua caneca lá no fundo do armário. De hoje em diante, qualquer hora que você voltar vai ser tarde demais.

Samia

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

-

Você também pode gostar desse assunto. Assista ao vídeo abaixo:

Comentários