Ah, 2016. Esse ano em que um monte de casal se separou, esse ano em que um monte de gente famosa morreu, esse ano em que a política no Brasil teve mais treta que a saída da Camila Cabello do 5Th Harmony, esse ano em que o crush continuou não dando bola, né mesmo?

2016 foi um ano complicado pra minha sanidade mental. Nada esse ano fazia sentido. De verdade. Quando parecia que iria melhorar, piorava. Quando parecia que um problema tinha sido resolvido, outro surgia. Foi um ano de prova de fogo, né? Na numerologia, 2016 é um ano 9. Ano de fechar ciclos, de jogar coisas fora do guarda-roupa, de aprender a deixar só o que importa pra gente. E eu sou muito ligado nesses papos esotéricos. Realmente foi a minha prova de fogo.

2016 foi um ano de testes. E, aparentemente, eu consegui passar por ele. Com a saúde um pouco debilitada, com a cabeça meio desgraçada, com ideias e valores completamente mudados, mas passei vivo. Tô aqui quase inteiro.

2016 foi o meu 2007 da Britney. Se eu passei por 2016, o resto é resto. Me fez sair mais forte e entender um monte de coisas da vida. Pedir ajuda não é um problema, admitir que você não sabe algo é um problema menor ainda. É honesto, é bonito, é vulnerável. Não faz da gente fraco. Faz da gente humano. Enlouquecer em mil baladas e virar dias acordado é maneiro nas primeiras vezes, mas depois o corpo recua. Pede arrego. Fala assim: ô fio, tu tá achando que é quem pra sair por aí metendo o louco. Acalma esse rabo!

E sabe o que mais foi 2016? Bem, dá play nesse vídeo que você vai entender direitinho o que foi esse ano pra gente.