A verdade sobre sexo e relacionamentos longos


Outro dia ouvi alguém falando que se não fosse para o sexo ser incrível preferia nem fazer. Fiquei em silêncio pensando que essa pessoa com certeza nunca teve um relacionamento longo ou nunca morou junto com a(o) parceira(o).

Se você – caro leitor – pensa que quando encontrar o amor da sua vida essa paixão será tão arrebatadora que será suficiente para tornar todas as suas noites de sexo em fogos de artifício de prazer alucinado, você está muito enganado. E delirando.

Não é justo com você e muito menos com seu parceiro ter esse tipo de expectativa em relação ao sexo. “Então quer dizer que todo mundo que fica junto durante muito tempo está fadado ao sexo sem sal, que dura dois minutos onde as pessoas mal abaixam a calça jeans?”. É claro que não. Mas com o tempo o sexo esfria. E esquenta de novo. E esfria. E esquenta. Um dia você vai ter um tesão louco de subir pelas paredes só de olhar para seu namorado e no outro você vai perguntar se pode ver televisão enquanto ele te come por trás. E não tem nada de errado – ou deprimente – com isso. (ok, esse papo da televisão foi meio deprimente).

É claro que você pode fazer como a pessoa no início do texto e se recusar a fazer sexo toda vez que você ou seu(sua) namorado(a) não estiverem entrando em estado de ebulição. Mas isso vai diminuir drasticamente a quantidade de sexo que você vai fazer na vida. Mas afinal de contas, a vida não é uma competição de quem faz mais sexo, não é? O problema é a expectativa que você coloca na outra pessoa e em você mesmo para que todo sexo seja incrível. E quando isso se provar impossível de se cumprir vai gerar muita frustração em vocês dois.

“Então para ter um relacionamento longo eu vou ter que fazer sexo-bosta e achar legal?”. Não. Você conhecer o fofexo. É um tipo de sexo onde você não vai ter orgasmos múltiplos, nem ser virada do avesso, nem suar três litros de excitação. O fofexo é aquele sexo feito pelos casais de longa data cuja intimidade já transcendeu o tesão. É aquele sexo delicinha, quentinho, grudadinho, que você faz deslizando as mãos pelo corpo da outra pessoa como se estivesse lendo seu livro preferido, vendo um filme da sua infância, passeando pelo seu lugar favorito no mundo. É aquele sexo fofo, mas que você não trocaria por uma transa alucinada com um estranho por nada nesse mundo. É o sexo onde o prazer não vem (só) da penetração ou de qualquer sensação física. Vem do sentimento. Você não geme porque tem uma pica entrando em você – você geme porque é a pica dele. Você não morre de vontade de gozar porque aquela bunda da sua frente é muito gostosa – mas porque é a bunda dela.

O fofexo é alucinado, quente e delirante a sua própria maneira. Ele nasce da intimidade, do amor, da confiança. Não existe fofexo com estranhos, com peguetes, com one night stands.

E estar em um relacionamento longo também não significa que sua vida sexual está condenada ao fofexo eterno. De vez em quando (mais do que você imagina) você vai ter os momentos de sexo-louco-quebra-tudo-vizinhos-chamam-a-policia. Mas talvez depois de um tempo você acabe valorizando mais o fofexo do que o sexo incrível. Só se lembre de sempre tirar a calça jeans, por favor!

Comentários