Num dia desses a gente se encontra


[Você pode ler este texto ao som de Could Have Been You]

Te vi passar e instantaneamente te transformei em paixonite aguda passageira, tipo dessas de infância que a gente sabe que muito provavelmente não daria certo, mas fantasia mesmo assim.

Até agora não sei ao certo se o que me encantou foi o seu olhar despretensioso que se encontrou com o meu, seu jeito semi-desleixado e naturalmente sexy ou o cheiro amadeirado doce de quem teve um dia cheio mas está pronto para enfrentá-lo mais um pouco.

Pra falar a verdade, acho que foram as três coisas, somadas à minha imaginação aguçada que rapidamente ganhou rosto, gosto e vontade de te fazer suar. Foi meu quase ímpeto de pedir licença e te roubar um beijo. Foi meu arrependimento no momento seguinte de não te-lo feito.

Não te conheço e nunca havia te visto, mas você foi desses que a mente faz questão de tirar uma foto e deixar estampada no mural de loucuras frustadas e não feitas  que a gente coleciona na vida.

Se eu pudesse voltar algumas horas atrás, talvez tivesse aproveitado melhor a chance e te chamado ao menos para uma cerveja: na pior das hipóteses você teria uma história engraçada pra contar, não é mesmo? Mas isso já não importa: o tempo não volta e eu tenho que conviver com as consequências do que não fiz, consolando-me em construir pra nós dois uma história pra ser vivida apenas em contos escritos.

Engraçado como esse lance de aura, alma, energia e/ou química é quase físico, não é mesmo? Algo aí dentro me deu a certeza que você é muito mais do que os olhos veem.  Acho que pareci uma louca de olho arregalado atraída por um ímã gigante de 1,80m e barba por fazer. Com certeza foram os 5 segundos mais longos da minha vida.

Neles eu inventei uma desculpa sem nexo para pedir informação sobre a própria rua em que moro e te beijei enquanto você me explicava o que eu já sabia. Sua surpresa, meu sorriso sem graça de quem sabe que fez maluquice. Teve você dizendo seu nome, teve a gente mudando os planos da noite para “se conhecer melhor”. Entre aspas sim, porque te decifrei no primeiro beijo.

Teve algumas cervejas, muitas risadas e uma vontade de fazer amor quase palpável. O tempo foi passando e nosso pudor, idem.

Teve você no meu apartamento, teve roupa espalhada no hall de entrada. Beijo na sala, preliminares no sofá e meu gemido no seu pescoço. Teve suor, oral e vinho derramado no tapete.

Teve riso, tesão e vergonha nenhuma em se querer de maneira recíproca.

Teve cuidado na penetração e olho no olho durante o gozo. Teve repeteco, mais beijo, janta e sobremesa.

Não teve pudor, não teve tabu e teve prazer que transbordava. Teve você no dia seguinte e em vários outros.

Teve leveza, clareza e muita vontade constante de estar perto. Teve reciprocidade, teve gozo constante.

Teve necessidade mista de planos e surpresas. Teve história, teve futuro.

Aí eu pisquei e você já tinha passado. Fiquei aqui com meu plano utópico e minha vontade contida. Fiquei aqui, arrependida. Mas saiba que nossa história foi linda, ao menos nesses cinco segundos de amor que tivemos.

Quem sabe outro dia desses a gente se encontre, não é mesmo? Mas cuidado, menino: sou meio maluca, dessas que fantasia amores de livros em encontros casuais.

Amanda

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

Comentários