Não sou um pedaço de carne


Fui uma garota complicada. Desde sempre vivi aquele conflito: pensar, sentir, agir. E nessa fase sempre pensei muito certo, senti muito errado e fiz muita merda. E quando tentava consertar, era mais merda ainda.

Me lembro de quando fui dar meu primeiro beijo: eu tinha 14 anos, era carnaval e todas já haviam beijado. Não sei se é o caso de mais alguém que está lendo isso, mas sempre fui a última em tudo: no primeiro beijo, no primeiro fora, no primeiro pedido de namoro, a primeira a transar. (Aliás, onde foram parar aquelas garotas super dotadas que já nasceram com tetas, corpão e maturidade e que sempre chegavam primeiro que nós em tudo? Porque elas simplesmente evaporaram.)

Voltando ao meu primeiro beijo, eu tinha 14 anos e era carnaval. O nome dele era Rubens. Inicialmente, eu estava a fim do irmão mais velho dele (de 17 anos), mas ele não quis nada comigo e o Rubens quis. Como ele era a réplica perfeita do irmão, só que 2 anos mais novo, aceitei de bom grado.

Foram aqueles dias intermináveis, onde um mandava recado para outro através de terceiros combinando um dia X que seria o dia do desfile de carnaval. E chegou a hora. Eu, desde sempre tenho um sintoma bizarro de ansiedade: quanto mais ansiosa, mais calma eu fico. Então eu estava ansiosamente calma.

Lá fomos nós: saí de perto da minha mãe com a desculpa de conversar com amigas e aí ele veio em minha direção. Acho importante frisar que até aquele momento jamais havíamos trocado uma única palavra, a não ser através de terceiros (não existia internet na época). Foi bizarro! Ele parou na minha frente com aquela cara branquela, aquele cabelo escorrido e disse um “E aí?”. Eu não sabia o que responder ou fazer. Fiquei lá parada até que ele foi se aproximando, segurou minha mão delicadamente, deu mais um passo em minha direção ficando bem perto e me beijou. Assim que acabamos de nos beijar, mais que rápido, saímos cada um para seu lado e nunca mais nos falamos ou nos vimos novamente. Até hoje não sei nada dele e nem sei foi real, só sei que o desconforto que senti foi enorme.

Depois disso, tudo se tornou um tanto mais simples. Quer dizer… A parte de beijar garotos, porque aí vinha o pesadelo da primeira transa. O pesadelo criado justamente pela supervalorização do sexo. Se sexo fosse tratado como algo natural, seria como aprender a andar: os primeiros momentos seriam tensos, mas sem muitas cobranças, especialmente externas. Mas não é o que acontece. Geralmente nos preocupamos muito mais em como nossos pais vão reagir, em como seremos vistas socialmente, no que o garoto e seus amigos vão pensar do que pensar no nosso prazer, nos cuidar para evitar gravidez, doenças e coisas do tipo.

Comigo não foi diferente: “Tem que ser alguém especial, numa hora especial, num lugar especial”, além da força absurda que todos fazem para retardar esse momento ao máximo. Sinceramente, cheguei a ter medo de transar e, na mesma hora, estourarem rojões e aparecer escrito “Transou!” no céu, de tão especial que deveria. Aí minha mãe iria acabar vendo.

Eu ainda era bem virjona, mas escolhi o pior caminho para superar essa fase: pagar de descoladona. Caras, isso me custou muitas famas que eu jamais me atrevi a conquistar de verdade, mas era o preço que eu estava disposta a pagar só para ninguém descobrir que eu era a única virgem da turma. Hoje me arrependo amargamente disso, porque ninguém tinha nada a ver se eu era virgem ou não, e não sei porque gastei tanto tempo tentando provar algo para eles, se jamais me aceitaram como membro de sua sociedade mesmo. Enfim, eu ainda era virgem aos 17 anos.

E perdi minha virgindade jurando não ser mais virgem, senão não a teria perdido até hoje, acho. Namorei por 6 meses e aí resolvi que era minha hora. E foi. Claro que fiz aquele papel de bem resolvida, segurei a respiração, engoli a dor, fiz e aconteci. No fim, foi bom porque acabei tirando proveito desde sempre. No entanto, eu ainda era refém da supervalorização do sexo, já que até para perder a virgindade tive que fingir que não a possuía, já que era uma moça tardia.

Achei que estaria livre desta supervalorização, mas esse meu namorado nunca mais saía comigo para nada, apenas para transar. Ficamos juntos mais uns 8 meses até que desisti . Sofri, chorei, mas não deixei isso me consumir. Fiquei um tempo solteira e aos 19, conheci um rapaz da minha idade e começamos namorar. Depois de um tempo, transamos. E ele era virgem até aquele momento. Foi algo tão diferente do meu primeiro namorado.

Desta vez, o sexo era uma consequência de carinhos, conversas, beijos e provocações maliciosas. Era algo orgânico, fluente e não aquela obrigação que era no outro. Nós saímos sempre, ríamos, íamos a festa e, ao chegar em casa, transávamos, mas as vezes também dormíamos e só. Era bom, era terno e era normal. O namoro também não deu certo depois de alguns anos, mas foi primordial para eu me autodescobrir. Foi essencial para eu perceber que o sexo era parte importante, mas não fundamental. Quer dizer: claro que é fundamental, pois toda relação tem lá suas “sexualidades próprias”, mas quero dizer que não precisamos nos tornar reféns do sexo.

Nem do nosso sexo nem dos outros. Que não usemos o sexo como moeda de troca, como barganha para conseguir relacionamentos ou para mantê-los, pois o sexo é a primeira coisa que se “assenta” com o tempo de relação. Ele não morre, não amorna, ele apenas se adapta à rotina do casal, deixando de ser prioridade máxima, como era no começo.

Transar passa a ser algo a ser feito quando ambos estão mesmo dispostos (inclusive fisicamente) e não mais a desculpa para estarem juntos. Transar passa a ser algo quando dá vontade e não uma vontade que dá sempre.

Sexo é apenas sexo e se não tiver hoje, tudo bem… Podemos ter amanhã.

Quantas de nós, apaixonadas, acabamos transando sem vontade apenas para o namorado parar de insistir? Quantas vezes acabamos cedendo sem querer? E isso é supervalorização do sexo, porque se ele valorizasse o que sentimos, iria entender que não somos máquinas, que não estamos a fim naquela hora, mas que dependendo de como ele conduzir as situações e se importar com o que sentimos, passamos a estar.

Lembra daquela menina de 14 anos, confusa com o pensar, sentir e agir que eu disse que era no começo do texto? Pois é. Ainda sou aquela garota, do mesmo jeitinho, só que hoje tenho coragem de dizer que não quero.

Thatu

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

Comentários