Não é tão ruim assim


[Você pode ler este texto ao som de Hold You Tight]

Eu imagino a gente dançando no meio de um grande salão daqueles antigos, sabe? Como se eu te conhecesse hoje à noite e te puxasse pra dançar, mesmo que não saiba dar dois passos pro lado e pro outro sem ameaçar derrubar um prédio inteiro. Eu sou pior que uma catástrofe natural quando tento dançar, mas pra você eu faço o esforço de parecer o Ed Sheeran naquele clipe. Você dançaria comigo?

Imagino como seria a vida sem você daqui a algum tempo. Se ela ficaria sem graça ou se eu cairia na real que a gente não vive conto de fadas, que não tem salão antigo e o fim da noite se resume a nós dois andando meio bêbados no meio da rua, eu segurando o seu casaco, você reclamando do frio-calor-frio-calor que sente depois que bebe. Eu rio e te pergunto o que seria do mundo se a gente não tivesse se encontrado. Você não sabe, e eu adoro quando você não sabe alguma coisa porque você ri, você joga a cabeça pra trás e abre um sorriso cheio de dentes e batom vermelho, e eu quase te peço pra manchar a gola da minha camisa só pra chegar perto do meu pescoço e me deixar cheirando à colônia. Noutro dia perguntei pra uma vendedora se ela tinha o seu cheiro e ela disse que não. Nenhuma delas tem, meu bem. Só você.

A padaria fica na esquina e a sua casa é um pouco antes. Te deixo? Não, não me deixa. Você quer que eu vá contigo? Pra sempre, e pode deixar o meu casaco na portaria. Você não sente frio? Sinto, mas tem você. Te abraço? Me abraça e não me deixa escapar.

E não é tão ruim assim. #entretodasascoisas #danielbovolento #frases (@danielbovolento)

A post shared by Entre Todas as Coisas (@entretodasascoisas) on

A gente chega cambaleando até a esquina, puxo uma cadeira e você desaba nela. Puxo uma na frente e sinto um bico do seu salto. Nada disso, aqui do lado. Sento e peço um pão na chapa, o que você quer? Você. Me devora? Devoro, mas traz uma xícara de café também, por favor? Ele traz, eu fico. E você se aproxima pra manchar a gola da minha camisa de batom, é aí que eu percebo que ele é cereja, não vermelho. E que os seus olhos são castanhos. E na pinta perto do nariz. E no mundo inteiro do teu rosto.

Por que você prende a respiração?

Eu?

É.

Acho que eu tenho medo de me afogar.

Em mim.

Em você.

E por que não se afoga?

Posso?

Bobo, é você quem usa bóias, não eu.

Não tem baile e a gente cambaleia ainda, numa coreografia engraçada que não tem glamour nenhum pra quem passa. A gente ri e se diverte como se uma orquestra tocasse a nossa música no meio da rua. Eu suado e você com a maquiagem borrada. Você borrando a minha gola, o meu pescoço e o meu lábio. Chega o garçom com meu pão na chapa e o seu café. A rua começa a encher. Eu te seguro forte e começo a afundar em você.

Não é o cenário perfeito pra uma história de amor, eu sei. Mas não é tão ruim assim.


Hey! Eu finalmente criei um canal no Youtube e ficaria muuuito feliz se você fosse lá conferir o primeiro vídeo. Só clicar aqui.

Aproveita e já se inscreve no canal porque tem muita coisa legal vindo por aí!

bovonew

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

-

Você também pode gostar desse assunto. Assista ao vídeo abaixo:

Comentários