É tarde, amor


[Você pode ler este texto ao som de Summer Is Over]

É tarde. Entre a promessa do pra sempre e a indecisão do quem sabe, a gente se perdeu pelas ruas tortas do nosso caminho. A gente se esqueceu entre as contas, os cursos, as viagens, a distância, o meu trabalho, a tua faculdade, as promessas que não foram dando pra cumprir, o cansaço dessa obrigação louca que a gente se impôs de ter que fazer o outro feliz.

Eu sempre soube que alguns amores tinham prazo de validade, mas achei que, com a gente, dava pra salvar. Achei que arrancando as pontas podres, dava-se um jeito e a gente sobreviveria ao caos. Olha só, eu falei, é muito amor pra aceitar que qualquer pouca coisa assim vai estragar. E foi por isso que eu insisti, por isso que eu sempre voltei, por isso que eu esperei que você sempre voltasse também. Coloquei na cabeça que só amor bastava. Foda-se todo o resto. Foda-se a vida. Foda-se esta história de que amar não é fácil. Eu quero é viver só de amor, eu pensei.

Mas eu não perguntei se você queria viver do meu amor também.

Ainda á pra salvar a gente? #entretodasascoisas #karinerosa (@kahrosawho)

A post shared by Entre Todas as Coisas (@entretodasascoisas) on

Vez ou outra, quando as feridas que você deixou voltam a sangrar, tenho uma vontade louca de pegar o telefone e te ligar. Penso que se eu te xingar passa. Se cutucar suas feridas, dói menos. Se gritar que te odeio, te esqueço. A verdade é que queria mesmo era perguntar: como pôde não ter sido eu? Pior. Como você pôde ter insistido tanto que era?

Por outro lado, culpar só você também é um tanto injusto. Ou melhor: tentar achar culpado em qualquer fim é um pouco de perda de tempo. E é tarde, amor. Pra tudo, até pra gente. A verdade é que, se eu te xingar, não vai passar. Se gritar que te odeio, é mentira, cê sabe. Se tentar cutucar suas feridas, vou acabar cutucando também um pouco as minhas. Talvez fosse eu, na época, não é? Talvez você tenha achado mesmo que era. É que não deu.

A gente se esqueceu na correria do meu e do seu dia, entre as conversas que a gente deixou de ter, os silêncios agonizantes antes de dormir, as vezes em que eu te queria e você não, e as vezes que você me procurava e eu fugia. A gente se esqueceu naqueles abraços frios de fins de namoro, nas mãos que já não se entrelaçava, nos beijos não dedos.

A gente se esqueceu no passado, amor.

Talvez seja por isso que acabou.

Karine

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

Comentários