Faz tempo que eu não paro em casa, no escuro e no silêncio, para ver um filme qualquer. No último domingo resolvi tirar um dia pra mim e pedi indicação no Twitter de um filme “forte e me que fizesse chorar”. Me indicaram “The Normal Heart”, filme produzido pela HBO em 2014 com direção de Ryan Murphy (Glee e Looking).

Antes de falar sobre o filme, eu gostaria de fazer um adendo sobre o pedido “forte e que me fizesse chorar”: eu raramente choro vendo/lendo qualquer coisa. Salvos poucos títulos, a maioria dos filmes emocionantes só me faz ficar embargado ou reflexivo. Nunca acredito nos filmes em que a maioria esmagadora diz que se debulhou em lágrimas e afins. Então nem levei muita fé na indicação, principalmente porque desconhecia a sinopse do filme.

“The Normal Heart” conta sobre um grupo de homossexuais durante o surgimento de uma doença misteriosa que se espalha e mata homens gays, e remonta aos anos das primeiras pesquisas e mortes noticiadas sobre a AIDS em Nova York – baseado em uma história real. Ned Weeks, interpretado brilhantemente por Mark Ruffalo, é um escritor que se torna ativista pela saúde gay (já que todos parecem dar a mínima para a doença) e tcharam: está instaurado o drama do filme. Ned é um personagem forte, crítico, que luta pelas coisas que acredita e não mede esforços para verbalizar seus ideias, mesmo que pareça agressivo ou assustador. Ele e Bruce, seu amigo que perde o namorado no início do filme, fundam uma associação para a saúde gay e saem em busca de financiamento para a pesquisa da doença.

O filme toca em duas grandes feridas da sociedade: o medo do desconhecido e de uma doença que mata pessoas próximas e se alastra sem que se saiba como e por que; e o receio de se perder quem se ama por conta da doença.

O filme é delicado e forte ao mesmo tempo. Triste e bonito, explora a humanidade, explora o amor entre homens e mostra como o sentimento é universal (homofóbicos choram). Entre citações ótimas, destaco uma: “você não pode parar de lutar por quem ama”. Explora o medo da morte e o medo da perda. Explora a falta e uma das cenas mais bonitas é quando Jim Parsons (o Sheldon de The Big Bang Theory) faz seu discurso em homenagem à morte de um amigo.

Me fez pensar em tanta coisa que não aguentei e chorei feito um bebê a partir da primeira hora do título. Me fez pensar sobre como a gente sofre tanto com relacionamentos que acaba aprendendo a rejeitá-los. O personagem Félix, jornalista gay do “Times” interpretado por Matt Bomer, diz a Ned que nenhum homem rejeita naturalmente o amor, nós aprendemos a fazê-lo. Isso revela uma ferida profunda no personagem, que mostra como os anos e os machucados vão nos tornando impenetráveis para o amor.

Outro ponto que me atacou diretamente como um soco no estômago foram as fatalidades do filme. Imagine você encontrar alguém que ama e, de repente, descobrir que o grande amor da sua vida pode morrer e você não pode fazer nada. Você o abandonaria? É tão delicado discutir isso porque, bem, você pode abandonar quem ama por medo, pode escolher lutar por ele e/ou pode vê-lo sendo arrancado de você aos poucos por uma doença cruel e sem explicação. O medo de morrer vai além aqui: é o medo de se perder quem a gente tanto quer bem nessa vida.

“The Normal Heart” tem uma trilha sonora maravilhosa que traz clássicos dos anos 80 de volta e alimentam a atmosfera dúbia do filme. Tem atuações excelentes e um elenco de ponta com Mark Ruffalo, Matt Bomer, Julia Roberts e Jim Parsons. Se eu fosse você, não deixaria de assistir ao título assim que possível. E prepare os lenços de papel.

bovonew

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.