Dê o play e escute o texto sendo interpretado pela Olivia Dias.

(Por Daniel Bovolento)

Eu não me importo se era junho ou julho, só sei que o seu cabelo era enrolado e caía na testa. Você tentava soprar e embaçava os óculos. Nublava tudo, mas eu ainda te via.

Não me importo se eu usava capa de chuva ou se escorreguei na esquina da quinta com a dois-três-oito, all star sempre derrapa, cê sabe como é. Eu caí de bunda e molhei a calça. Você riu e eu fiquei brava, mas tão brava, que te pedi pra segurar as coisas pra eu entrar no shopping e consertar o estrago. Por mais escuras que estivessem as nuvens, o tempo não fechou.

Foi aí que caiu o mundo lá fora, e eu reparei que você tinha sardas. Senti frio e você me deu o seu casaco. Como a gente faz quando descobre alguém que a gente não conhece dentro de um conhecido? Eu tava redescobrindo você ou te lançando aquele olhar, aquele que mostra alguma coisa diferente. E então você me puxou pra sair na chuva.

Nota: era um shopping, numa terça-feira, a gente tinha acabado de sair da faculdade e eu tava de vestido. Correr pelas poças ia fazer a minha perna virar uma mistura de lama e água de rua, tirando os livros que tavam na bolsa, tirando a previsão de gripe. Você era mais alto que eu e mais rápido, e os seus cachos iam cair todos na sua cara e nos seus óculos, iam tapar a sua visão. Mas eu fui.

beautiful-beauty-couple-cute-Favim.com-1726083

Tem um momento em que tudo muda. E foi no momento em que eu tropecei numa lata de lixo tombada e ia cair de cara numa daquelas poças imundas enquanto corria pra fugir da chuva. Teve um momento em que eu não sabia se iria conseguir segurar a bolsa, se morreria sufocada com o capuz do seu casaco, se o tombo iria me quebrar o nariz ou se eu chegaria em casa sem uma pneumonia.

Foi na hora em que você me segurou e eu fui contra o seu corpo. Na hora em que a minha mão derrapou e encaixou na sua. Na hora em que dois carros buzinaram e a gente não saiu da frente. Foi ali, no meio da chuva, que eu reparei em como você é bonito sem óculos e em como o meu corpo se encaixa no teu. Foi ali que eu reparei no abraço, no rosto molhado, nos cachos caindo em caracóis pela testa e no sorriso desconcertado. Foi aí que eu vi você.

Eu não me importo se era junho ou julho, só sei que o seu cabelo era enrolado e caía na testa. Você tentava soprar e embaçava os óculos. Chovia muito, mas eu ainda te beijei.

Mesmo com o tempo fechado, eu te via. E num céu cheio de estrelas eu encontrei você.

_________________________

Você pode baixar esse e outros textos interpretados pela Olívia aqui.

olivia

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.