Em Relacionamentos

Cospe ou engole

Daniel Bovolento

Por / 22 DE maio DE 2013

Cospe ou engole

[Você pode ler este texto ao som de Bon Iver – Holocene]

Me atiro num pulo ou nem subo no muro.

E você, ah, você que não escolhe e acha que o tempo é seu servo, você que pensa que a eternidade existe pela espera, você que confunde a calma calmaria tranquilidade com indecisão medo dúvida que nunca é sanada. Você precisa parar ou cair de vez, sem interferências cósmicas antropológicas ambientais de força maior que te façam parar no meio do caminho. Você, que não é como eu, precisa entender que não é de açúcar pra evitar andar na chuva – e se for, é melhor que se desmanche de uma vez só, sem essa coisa de piedade bondade cautela, essas coisas que atropelam a gente e deixam a gente estirado no meio da rua, sangrando agonizando morrendo aos poucos sem nunca morrer de vez. Você precisa deixar de esperar, de esperar por socorro apoio certeza e se decidir.

Você, como diria Cazuza, vê se ao menos me engole, mas não me mastiga. Você precisa reaprender a andar nas ruas avenidas prédios elevador sem parar em cada andar pra se certificar que as coisas vão indo, você que é muito comedido e nunca teve nenhum arranhão de bicicleta patinete moto amor ou uma dessas coisas todas que machucam saram cicatrizam e bola pra frente. Justo você que tá aí e não se mexe, melhor ficar parado imóvel estátua fria de si mesmo se a ideia for desistir no meio do caminho. Mas escolhe ficar parado. Escolhe, decide, me conta, eu respeito, você vai entender, eu também vou e se isso for te fazer feliz ou me fazer feliz ou fazer de nós dois infelizes que tomaram as decisões erradas, tudo bem. Pelo menos tomaram. Decidiram-se. 8 ou 80 e não tem outra numeração pra você que é sempre metade do que podia ser.

Você que é o revés dos meus riscos e ainda assim é um risco que ainda não entendeu isso, você que simpatiza com a prolixidade das reticências sem ter consciência de que esperar demais cria bolor em mim em você na gente nos outros nas histórias e em tudo mais que não se deixa levar. Você, é, você mesmo, que tá se debruçando nos braços sem o peso de preocupações, sem o peso de ter que se decidir e acaba deixando o destino sorte tarot búzios astros decidirem por você. Você que podia me ter, mas não tem por muito pouco, por muito perto, por não ter cruzado a linha em tempo hábil, por ter deixado a decisão de lado ou por nunca ter se decidido. Você que nunca sabe o que fazer e nem percebe que só perde tempo dinheiro beijos suspiros felicidade amor e todas essas coisas que parecem uma coisa só quando eu não uso vírgulas pra respirar. Você que podia me deixar sem fôlego, mas não deixa porque não é nem um pouco igual a mim que sou 8 ou 80. Ah, você…

Se atira logo num pulo ou nem sobe no muro.

Ou me cospe, ou me engole.

COMPARTILHE ESTE POST

COMENTÁRIOS

DANIEL BOVOLENTO

Carioca em São Paulo, redator, marketeiro, consultor de conteúdo e escritor. Falo mais sobre relacionamentos que a maioria.

DANIEL NO INSTAGRAM